Olhando com outros olhos para sua tireóide

Olhando com outros olhos para sua tireóide

Há novos estudos sendo realizados o tempo todo na área da saúde, especialmente a respeito da tireóide. Uma tireóide saudável nos ajuda a controlar o peso ao mesmo tempo que controla nossa temperatura basal, mantém nossos batimentos cardíacos constantes e mantém a elasticidade, firmeza e umidade da nossa pele.


A alterações dos hormônios tireoidianos no sangue: T3 livre, T4 Livre, TSH ultra-sensível e T3 reverso, Anti-corpos anti-tireoglobulina, Anti-corpo anti-microssomal; e parâmetros como a temperatura basal matinal e um ultra-som da tireóide nos dão uma indicação de que um problema está acontecendo nessa glândula tão importante. Porém, a clínica, SEMPRE SOBERANA, pode nos dar sinais muitos antes desses hormônios se alterarem.


Outra questão, é que muitas pessoas tem hormônios tireoidianos em níveis normais, porém o problema está nos receptores celulares (aquela “fechadura” onde o hormônio “chave “ encaixa para entrar nas células e desempenhar o seu papel). Nesse caso, o diagnóstico é mais difícil e chamamos de hipotireoidismo sub-clínico.


A auto-avaliação e escutar os sinais do nosso corpo sempre é um importante começo. O único sintoma, como muitos pensam, não é só a dificuldade em perder peso. O frio excessivo (mãos e pés sempre gelados), fadiga pela manhã, afinamento da pele, pele e cabelos secos, constipação, unhas com traços longitudinais, a língua com marcas dos dentes nas laterais ao acordar, insônia, pressão baixa, infertilidade, hipotermia, voz arrastada, voz grossa, ansiedade, hiporreflexia, incapacidade de concentração, depressão, agitação, pânico, túnel do carpo e cefaléias são outros sinais e sintomas do hipotireoidismo.


A ansiedade, a perda de peso apesar de sede e fome aumentadas, maõs e dedos trêmulos e suor intenso podem te chamar a atenção para um excesso desses hormônios, nesse caso, a condição é de hipertireoidismo.


AVALIANDO SUA TIREÓIDE EM CASA:


Use um termomêtro de vidro e assim que acordar coloque na axila e mantenha-o firme durante 15 minutos. Registre o resultado da sua temperatura. Faça isso por 3 dias. Tire a média das leituras, somando os três resultados e dividindo por três. Se sua temperatura média está abaixo de 36OC com toda probabilidade você está sofrendo de hipotireoidismo sub-clínico e deveria conversar com um profissional ATUALIZADO que saberá como proceder (cerca de 50 a 60% dos pacientes com hipotireoidismo tratados com T4 sintético, não respondem como deveriam. Para o equilíbrio, o corpo necessita também de T3).


No mais, faça exercícios moderados, consuma alimentos ricos em iodo ou use um suplemento natural de iodo/iodeto, garanta seu aporte nutricional de selênio e vitaminas do complexo B (porporciona uma maior absorção dos minerais selênio, zinco e iodo, importantes para a tireóide), use suplementos com Cordyceps sinensis ( fungo que aumenta o oxigênio das células em 40%), não utilize pasta de dente com flúor e tente usar filtros de água que minimizem o flúor e o cloro, eles sequestram iodo.


Não faça dietas malucas, se alimente equilibradamente. Repense o uso de anticoncepcionais - entre outros efeitos colaterias ruins - eles reduzem a conversão de T4 em T3. Respire profundamente em técnicas de meditação - exercícios de respiração aumentam a ATP , fonte de toda a sua energia.


Se estiver grávida ou na menopausa, procure seu médico de confiança e converse sobre a suplementação de iodo. As mulheres na menopausa tem níveis mais baixos do hormônio estrógeno e sem iodo adequado na dieta, tem maiores dificuldades em produzir os hormônios da tireóide.


Pacientes com falência cardíaca congestiva tem o metabolismo dos hormônios tireoidianos alterado. O hipotireoidismo está ligado ao risco de ataque cardíaco entre mulheres com 55 anos ou mais de idade e pode ser indicador de arterioesclerose e de risco de infarto no miocárdio.


Indivíduos mais velhos podem requerer níveis de hormônios tireoidianos circulantes de médios para altos, no intuito de manter um funcionamento cerebral ótimo, pois pacientes com hipotirepoidismo podem sofrer de um sutil déficit cognitivo.


Ao recuperar sua saúde tireoidiana, o otimismo e o entusiasmo estarão garantidos e você se sentirá jovem como nunca. Fique atento!!




Texto escrito por Luciana Gallinaro – Bióloga – CRBIO 100442. Fellowship em Envelhecimento Celular e Medicina Regenerativa –  BARM –  A4Medicine – USA. A reprodução deste e qualquer outro conteúdo desenvolvido pela Five Diamonds só é permitida mediante crédito da fonte.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



  1. American Journal of Cardiology, 1998; 81:443-447

  2. Annals of Internal Medicine, 200; 132:270-8

  3. Journal of Gerentology: Medical Sciences, 1999; 54A (3):M111-M116

  4. J Clin Endocrinol Metab. 2012 Jul;97(7):2256-71.

  5. Program Of Fellowship in Aging and Regenerative Medicine – Dr. Paul Ling Tai